• O Autor

  • Uma Questão de Paixão

  • Os melhores da blogosfera… a léguas!

  • Dragoscópio

    ...Quando eu digo Deus não é forçoso que eu signifique um Deus confinado a determinado ritual religioso; de facto, posso apenas dizer aquilo que, de certa forma, o conceito de Deus simboliza e consagra, ou seja, determinados princípios e fins - uma causa primeira e uma causa final. Quer dizer, a minha acção deve reger-se por princípios e fins; não quedar apenas refém, enclausurada e cativa dos meios. Pois, conforme estipula a matriz da nossa própria civilização, a acção humana não é um mero exercício de meios; como não é um mero exercício de fins. Nesse caso, nesse exercício desligado e cacofónico dos meios ou dos fins cair-se-á fatalmente no desequilíbrio, na desarmonia caótica. Porque, assim sendo, ou os fins justificarão os meios ou os meios determinarão os fins. Perdidos os princípios, tudo se torna, então, possível. O cosmos deixa de estar sujeito a uma necessidade –isto é, uma ordenação primordial, eterna e transcendente (e transcendente não é nenhum palavrão feio, apenas significa não estar sujeito a caprichos, acidentes e acasos do tempo) – e passa a estar ao pleno dispor da sorte e do acaso. E de quem lá impera. Desce-se, assim, do reinado do sentido, do simbólico, para a tirania do aleatório, mascarada, no melhor dos casos, duma democracia de alienados. Note-se, a esse respeito, como o nosso tempo manifesta uma hostilidade e um desprezo ostensivo pelo “primórdio” e, em contrapartida, celebra o “media” e a “finança” – decantações, respectivas, quer do “meio”, quer do “fim”. Por outro lado, esta ordenação hierárquica das coisas fundada na criação (e entenda-se aqui “criação” não no seu significado apenas religioso, mas também artístico, não sòmente demiúrgico mas também poético – ou seja, não apenas bíblico, mas sobretudo helénico) é deveras interessante e terrível. Senão, reparemos: se aceitarmos a sua lógica teremos qualquer coisa como "o criado ou criatura deve servir o criador. Assim, devemos servir a Deus, tal qual o dinheiro nos deve servir a nós." Em contrapartida, se nos rebelarmos contra essa ordem, se entendermos que (por exemplo, porque não somos criados, porque somos meras moléculas sem qualquer vínculo ao sagrado) não devemos servir a Deus, pode, à primeira vista, parecer muito libertário, catita e altamente moderno, mas depois tem um reverso sinistro que nos atira, de escantilhão, para abaixo dos pré-históricos canibais: é que, na mesma medida, o dinheiro e tudo aquilo que nós criámos deixa de estar na obrigação de nos servir a nós. Tornamo-nos então, nós próprios, servos dos nossos criados, criados dos nossos produtos, prole e plasma dum qualquer Estado burocrático. Preciso de vos apontar a realidade actual à vossa volta? Porque nos rebelámos contra o superior, tornámo-nos escravos do inferior; porque enterrámos as asas do espírito, rastejamos agora no pântano da matéria; porque desertámos do princípio, estamos agora confinados à finança. Partimos e pulverizámos em míseros caquinhos todo o imenso templo da Crença em Deus, doravante nanificada em milhares de minicrenças: crença na casa, crença no carro, crença no sucesso, crença no progesso, crença na ciência, crença no jornal, crença na televisão, crença no pastor, crença no doutor, crença na turba, crença no número, crença no trabalho, crença no umbigo, crença no dinheiro - somos agora miriápodes ouriçados não já em patas mas em crenças, com as quais amarinhamos por tudo, empeçonhando a esmo, e tudo isso embrulhado no tal saco da super-crença na Finança Toda Poderosa, gestora do Céu e do Inferno na Terra. Em boa verdade, à crença deixámos de tê-la para passar a sê-la. De sujeito degradámo-nos a objectos; de protagonistas, passámos a acessórios; de portadores, a transportes; de proprietários, a possessos. O produto tornou-se mais valioso que o produtor. Descartado o Sagrado, a natureza tornou-se descartável para o homem e o homem, por sua vez, tornou-se descartável para a sua própria máquina industrial tecno-eficiente. O conjunto evolutivo lembra, cada vez mais, um foguetão cósmico que vai consumindo e largando andares à medida que se afasta e embrenha direito a sabe-se lá onde. Certo é que quanto mais aumenta a nossa descrença no Sagrado, quanto mais ao descrédito o votamos, ou seja, quanto menos importância lhe damos, mais aumenta a importância que damos a bugigangas e próteses existenciais que fabricamos, e, inerentemente, mais se agiganta a crença que para elas transferimos. No fundo, tanto quanto uma perversão na hierarquia de valores, é uma inversão que se instaura e, gradualmente, nos vai absorvendo: o novo sobrepõe-se ao original, o produto ao produtor, o medíocre ao sublime. De espaço de cultura, o mundo converte-se assim em mero palco da profanação. Desligado do cosmos, oscila, perigosa e maquinalmente, entre a incubadora artificial e o matadouro industrial.
    in Dragoscópio. A par do Jumento, a léguas os dois melhores blogues portugueses.
  • Obrigações Diárias

Aí está o primeiro divórcio de um casamento Gay…

… agora reparem no estado civil

Anúncios

Lá Vem a Nau Catrineta

Lá vem a Nau Catrineta
que tem muito que contar
esta Nau – diz o poeta-

El-Rei a mandou armar

e de Rosa a fez zarpar

para uma nova demanda

é D. José quem comanda

a barquinha em alto-mar

Da odisseia sem par

dos loucos navegadores

ouvi agora senhores

outra história de pasmar

Com a maldita tormenta

sem sinais de abrandamento

já esgotada a água benta

que havia lançado ao vento

desde os degraus de S. Bento

a Braga e Castro Marim

a chusma não via o fim

dessa bernarda agoirenta

-não sei se a Nau aguenta-

rosnam as bocas descrentes

escorbúticas, sem dentes

-ai que esta merda rebenta…”

Impassível na amurada

da Nau das aflições

coçando ambos os limões

com a destra mão artilhada

O Capitão da molhada

dos lusos navegadores

ia dizendo:-Senhores

calma que isto não é nada

a malta não está lembrada

dos Gamas e dos Cabrais

que venceram temporais

com vontade inusitada?

Pois nós os seus descendentes

dobraremos este cabo

nem que a porca torça o rabo

ou ao galo cresçam dentes!

Calem a boca os descrentes

que mais dia menos ano

voaremos a todo o pano

e com esta dica acabo

não sou trouxa nem sou nabo

seja vivo ou esteja morto

hei-de levar a bom porto

a Nau de El-Rei , c’um diabo!-

Nem palmas nem pateada

nada se ouviu de seguida

pois já nada dava vida

à ralé desanimada

nem a promessa dourada

de vaquinhas anafadas

onde o pãozinho às carradas

lhes mataria a larica

nem isso ousava dar pica

minorar o sofrimento

-Promessas leva-as o vento

e não enchem a barriga-

Este Capitão chanfrado

mais os seus loucos tenentes

da córnea caixa dementes

há muito houveram pirado

-ir ao fundo é nosso fado

já os peixes batem palmas

encomendemos as almas

ao nosso santinho amado

Tá tudo doido e passado

que se foda o desemprego

ao fundo que nem um prego

restará como salvado

Vem aí a bancarrota?

não há espiga camaradas

porque há crédito às carradas

na Cofidis e no Totta

e o Doutor Mário Frota

que ajuda os endividados

os que se vêm lixados

para descalçar a bota

Isto é uma Nau da treta

e não tarda o afundanço

gozemos, viva o ripanço

que se foda a Catrineta!!!

Nos minutos derradeiros

antes do baque final

O Capitão General

e a corja de sendeiros

tenentes flibusteiros

do chavascal que criaram

pois ainda nos prendaram

com mais mais esta, os trapaceiros:

Doravante os paneleiros

e as fufas deste país

terão um ar mais feliz

pois não morrerão solteiros

Após uma longa ausência ( motivos pessoais ) espero voltar às lides “bloguistas” habituais. A todos os companheiros que têm cá vindo espreitar ( e aos que não vieram também), AQUELE ABRAÇO do Zé do Telhado.