• O Autor

  • Uma Questão de Paixão

  • Os melhores da blogosfera… a léguas!

  • Dragoscópio

    ...Quando eu digo Deus não é forçoso que eu signifique um Deus confinado a determinado ritual religioso; de facto, posso apenas dizer aquilo que, de certa forma, o conceito de Deus simboliza e consagra, ou seja, determinados princípios e fins - uma causa primeira e uma causa final. Quer dizer, a minha acção deve reger-se por princípios e fins; não quedar apenas refém, enclausurada e cativa dos meios. Pois, conforme estipula a matriz da nossa própria civilização, a acção humana não é um mero exercício de meios; como não é um mero exercício de fins. Nesse caso, nesse exercício desligado e cacofónico dos meios ou dos fins cair-se-á fatalmente no desequilíbrio, na desarmonia caótica. Porque, assim sendo, ou os fins justificarão os meios ou os meios determinarão os fins. Perdidos os princípios, tudo se torna, então, possível. O cosmos deixa de estar sujeito a uma necessidade –isto é, uma ordenação primordial, eterna e transcendente (e transcendente não é nenhum palavrão feio, apenas significa não estar sujeito a caprichos, acidentes e acasos do tempo) – e passa a estar ao pleno dispor da sorte e do acaso. E de quem lá impera. Desce-se, assim, do reinado do sentido, do simbólico, para a tirania do aleatório, mascarada, no melhor dos casos, duma democracia de alienados. Note-se, a esse respeito, como o nosso tempo manifesta uma hostilidade e um desprezo ostensivo pelo “primórdio” e, em contrapartida, celebra o “media” e a “finança” – decantações, respectivas, quer do “meio”, quer do “fim”. Por outro lado, esta ordenação hierárquica das coisas fundada na criação (e entenda-se aqui “criação” não no seu significado apenas religioso, mas também artístico, não sòmente demiúrgico mas também poético – ou seja, não apenas bíblico, mas sobretudo helénico) é deveras interessante e terrível. Senão, reparemos: se aceitarmos a sua lógica teremos qualquer coisa como "o criado ou criatura deve servir o criador. Assim, devemos servir a Deus, tal qual o dinheiro nos deve servir a nós." Em contrapartida, se nos rebelarmos contra essa ordem, se entendermos que (por exemplo, porque não somos criados, porque somos meras moléculas sem qualquer vínculo ao sagrado) não devemos servir a Deus, pode, à primeira vista, parecer muito libertário, catita e altamente moderno, mas depois tem um reverso sinistro que nos atira, de escantilhão, para abaixo dos pré-históricos canibais: é que, na mesma medida, o dinheiro e tudo aquilo que nós criámos deixa de estar na obrigação de nos servir a nós. Tornamo-nos então, nós próprios, servos dos nossos criados, criados dos nossos produtos, prole e plasma dum qualquer Estado burocrático. Preciso de vos apontar a realidade actual à vossa volta? Porque nos rebelámos contra o superior, tornámo-nos escravos do inferior; porque enterrámos as asas do espírito, rastejamos agora no pântano da matéria; porque desertámos do princípio, estamos agora confinados à finança. Partimos e pulverizámos em míseros caquinhos todo o imenso templo da Crença em Deus, doravante nanificada em milhares de minicrenças: crença na casa, crença no carro, crença no sucesso, crença no progesso, crença na ciência, crença no jornal, crença na televisão, crença no pastor, crença no doutor, crença na turba, crença no número, crença no trabalho, crença no umbigo, crença no dinheiro - somos agora miriápodes ouriçados não já em patas mas em crenças, com as quais amarinhamos por tudo, empeçonhando a esmo, e tudo isso embrulhado no tal saco da super-crença na Finança Toda Poderosa, gestora do Céu e do Inferno na Terra. Em boa verdade, à crença deixámos de tê-la para passar a sê-la. De sujeito degradámo-nos a objectos; de protagonistas, passámos a acessórios; de portadores, a transportes; de proprietários, a possessos. O produto tornou-se mais valioso que o produtor. Descartado o Sagrado, a natureza tornou-se descartável para o homem e o homem, por sua vez, tornou-se descartável para a sua própria máquina industrial tecno-eficiente. O conjunto evolutivo lembra, cada vez mais, um foguetão cósmico que vai consumindo e largando andares à medida que se afasta e embrenha direito a sabe-se lá onde. Certo é que quanto mais aumenta a nossa descrença no Sagrado, quanto mais ao descrédito o votamos, ou seja, quanto menos importância lhe damos, mais aumenta a importância que damos a bugigangas e próteses existenciais que fabricamos, e, inerentemente, mais se agiganta a crença que para elas transferimos. No fundo, tanto quanto uma perversão na hierarquia de valores, é uma inversão que se instaura e, gradualmente, nos vai absorvendo: o novo sobrepõe-se ao original, o produto ao produtor, o medíocre ao sublime. De espaço de cultura, o mundo converte-se assim em mero palco da profanação. Desligado do cosmos, oscila, perigosa e maquinalmente, entre a incubadora artificial e o matadouro industrial.
    in Dragoscópio. A par do Jumento, a léguas os dois melhores blogues portugueses.
  • Obrigações Diárias

A Circunferência do Quadrado

circulo.jpg

  Julho de  2006

Carlos Andróide: Ora então muito boa noite para a toda a malta da Blogspot, Weblog, Sapo, Clix, WordPress e companhia;
Eu sou o Carlos Andróide, moderador desta tertúlia cavaqueira semanal onde se pretende mandar às malvas o sempre irritante “políticamente correto” e chamar os bois pelos nomes (salvo seja).
Comigo os habituais e ilustres cavaquadores da praxe: Pacheco Mao Mao pelo P.S.D., Jorge Pink Rabbit pelo P.S. e Cabelinho à Foda-se Xavier pelo C.D.S./P.P..
Pontos “quentinhos” da semana, antes do meu merecido gôzo de férias na Trafaria, que isto do guito não dá para mais, tal é a crise.
– A dor de costas de Freitas do Amaral
– Os Estados Gerais na A.R.
E começo por si, Cabelinho à Foda-se Xavier, o que tem a opinar sobre estes dois temas?


Cabelinho à Foda-se Xavier: Ora bem, quanto às dores do meu ex-correlegionário de partido só tenho a dizer uma coisa: Bendita seja a dor que lhe deu, já que o tipo se preparava para meter outra vez a pata na poça com a questão das Arábias, o que, diga-se de passagem, ia dar outra vez caldeirada com a administração americana. Fez muito bem o Sócrates em internar o Freitas no Hospital da Cruz Vermelha e arranjar um outro ministro – este é à maneira – que não tivesse a mania de vir para a cena política com a razão das coisas a imperar sobre os interesses nacionais. Este rapazito que lá está, se estiver quietinho e escutar os chefes da orquestra vai sair-se muito bem. No entanto há que dar os parabéns a Freitas do Amaral por ter saído mudo e quedo do cenário.Então Adeus ó Diogo e diverte-te por aí pá, que tu já não tens vida para isto.
Ponto dois, os Estados Gerais: Ora aquilo correu às mil maravilhas ao Sócrates e ao governo da Rosa. A malta do PSD e do CDS/PP está a gostar à brava do trabalho do Engenheiro Sanitário, ele está a fazer o tal “trabalho sujo” que ninguém gosta de fazer e a arcar, qual Cristo de cruz às costas, com o peso da indignação popular. Quando aquilo começar a dar frutos a malta da oposição é que vai começar a trabalhar, ou seja, a fazer oposição a sério. Disse!

Carlos Andóide: Sim senhor ó Cabelinho à Foda-se Xavier, entendemos perfeitamente. E você ó Pacheco Mao Mao, afina também pelo diapasão do Cabelinho à Foda-se Xavier?

Pacheco Mao Mao: Eu?!… mais ou menos! O Freitas do Amaral já estava metido numa camisa de onze varas há bué de tempo e foi essa camisa de forças que lhe deu cabo do canastro. Antes que viesse aí algum gajo da Mossad e lhe desse um aviamento daqueles de fazer mossa ( mossa=mossad, estão a ver?) que lhe pusesse mesmo os costados num oito, o tipo deu à sola, eh,eh,eh! Agora vai descansar uns tempinhos e volta aí cheio de força para a administração de umas empresas com capital de estado e pronto!, está tudo nos conformes outra vez e nunca mais se mete em política.
Quanto aos estados a que o país chegou, concordo na íntegra com o Cabelinho à Foda-se Xavier; Deixa-os lavar a porcaria com o sabão deles que, quando aquilo estiver mais ou menos lavado nós damos-lhes o amaciador total, eh,eh,eh!

Carlos Andróide: E você ó Jorge Pink Rabbit, o que é que tem a dizer a estes seus amigos de Peniche?

Jorge Pink Rabbit: Tenho a dizer-lhes que bem podem esperar sentados que lhes caia o mel na sopa, pois pode é cair àcido prússico, ou cianídrico que é a mesma coisa, na gamela e ficarem com os gasganetes em brasa. O meu camarada Engenheiro Sanitário Sócrates não é nenhum parolo que se deixa levar no conto do vigésimo premiado ou da vermelhinha; Não começem a ler o manual do Maquiavel e depois digam que tiveram azar, eh,eh,eh! Se o gajo topa que ao chegar às eleições pode correr o risco de as perder, vá de começar a distribuir para aí benesses das grossas ao zé povinho otário, a dizer-lhes que finalmente as vacas estão mais gordas que o Jô Soares e que agora é que vai ser tudo à fartazana, baixas dos impostos, baixas da taxa de juros, dá mais cinquenta paus a cada velhote reformado, aquelas coisas que os labregos adoram… sabem como é! Afinal, sempre foi assim e o povo, essa carneirada que não tem nunca memória, embarca que é uma maravilha. Bem podem vocês da oposição vir depois tentar argumentar a sério que o Engenheiro e a Rosa estar-se-ão positivamente cagando para isso; o povo, com mais cinco tostões na carteira vai a correr votar outra vez no Engenheiro e o resto é conversa, estão a perceber ó seus morcões? Ora aprendam lá que o homem não dura sempre!

Carlos Andróide: E pronto, terminamos por hoje e vamos a banhos. Encontramo-nos cá outra vez, se os Israelitas e o Hezboulla deixarem, no próximo mês de Setembro para mais Circunferências do Quadrado. Até lá!

Anúncios

A Circunferência do Quadrado

circulo.jpg

Maio de 2006


Carlos Andróide: Ora então muito boa noite para a toda a malta da Blogspot, Weblog, Sapo, Clix e companhia;
Eu sou o Carlos Andróide, moderador desta tertúlia cavaqueira semanal onde se pretende mandar às malvas o sempre irritante “políticamente correto” e chamar os bois pelos nomes (salvo seja).
Comigo os habituais e ilustres cavaquadores da praxe: Pacheco Mao Mao pelo P.S.D., Jorge Pink Rabbit pelo P.S. e Cabelinho à Foda-se Xavier pelo C.D.S./P.P..
Pontos “quentinhos” da semana:
– Marmela Ferreira Milk e o seu recado para o P.S.D., apelidando de demagogia barata o discurso do partido no que ao encerramento das maternidades diz respeito, pedindo que se apoie o governo nesta matéria e se deixem de merdas.
– O convite de Coffee Annan a Jorge Encosta A Tua Cabecinha No Meu Ombro E Chora Sampaio para o cargo de embaixador da ONU para os tuberculosos.
– As explicações de José Sacristócrates sobre as polémicas declarações do seu ministro Otário Lino sobre o “Iberismo”.
Pacheco Mao Mao, quer começar pelas declarações de Marmela Ferreira Milk?

Pacheco Mao Mao: Tem piada que estive a matutar sobre isso esta manhã pela fresquinha, depois de beber o meu chazinho chinês da ordem e me sentar em seguida na aliviadora peça de loiça do W.C., hábito este que me foi ensinado por um chinoca meu amigo nos anos setenta, seguindo o provérbio chinês que dizia:
De manhã pela fresquinha
te deves aliviar
só assim a cabecinha
está pronta a funcionar
E assim tenho procedido ao longo destes anos e tenho-me dado lindamente com a receita…

Carlos Andróide: Ó Pacheco Mao Mao, tudo isso pode ser muito interessante, mas deixe-se lá de conversas da caca e vá direito ao assunto que não temos o dia todo para escutar as suas tiradas filosóficas.

Pacheco Mao Mao: Bem, a minha querida correlegionária, independentemente das razões que lhe possam assistir, fez mal em colocar em xeque o presidente Meia-Leca Mendes e o Bureau Político do P.S.D., cometendo o erro histórico…

Carlos Andróide: Mas ó Pacheco Mao Mao, há ou não fundamento para si naquilo que a Marmela afirmou?

Pacheco Mao Mao: Bem… fundamento pode haver, no entanto na política partidária a malta tem que se estar a borrifar p’rós fundamentos e tem é que jogar com todo o peixe que venha à rede. Ser poder, obriga-nos a deitar a mão a todas as armas que estiverem ao nosso alcance para derrotar o inimigo, mesmo que para isso tenhamos que nos contradizer a nós próprios muitas vezes. Que se lixem lá as transparências, os princípios, as verdades, os fundamentos etc…, um partido político existe para ser poder e o resto são balelas, portanto a amiga Marmela devia ter enfiado a viola no saco e estar caladinha. Históricamente…

Carlos Andróide: Pronto, pronto, cale-se lá ó Pacheco Mao Mao que a gente já percebeu tudo.

Jorge Pink Rabbit; Coffee Annan e o convite a Jorge Encosta A Tua Cabecinha No Meu Ombro E Chora Sampaio?

Jorge Pink Rabbit: Penso que é uma honra para Portugal, para os socialistas e para o meu camarada Jorge Encosta A Tua Cabecinha No Meu Ombro E Chora Sampaio…

Carlos Andróide: Acha mesm ó Jorge Pink Rabbit?! Um ex-presidente da república a enfrascar penicilina para acudir aos enjeitados do terceiro mundo?!
Não acha que os altos dignatários estrangeiros quando não têm ninguém que queira pegar nessas paneleirices se lembram logo da reserva que é Portugal, país cheio de figurões vaidosos que dão o cú e oito tostões para alimentar essa mesma vaidade? Não acha que somos uns tacanhitos de espírito, uns frustraditos do caraças sempre a por-nos em bicos de pés para que reparem em nós?

Jorge Pink Rabbit: Bem… ó Carlos Andróide, não será bem assim…

Carlos Andróide: Ai não?! então como é, diga lá!

Jorge Pink Rabbit: Bem…agora de momento…assim…depois das suas palavras contundentes…

Carlos Andróide: Mas não é verdade o que afirmei?

Jorge Pink Rabbit: Bem… talvez seja alguma coisa…

Carlos Andróide: Então volto a perguntar: O que é que não é verdade?

Jorge Pink Rabbit: Você está-me a baralhar e eu… as palavras não me saem…

Carlos Andróide: Ai não saem! então no final do programa lembre-me de lhe oferecer um saca-rolhas, ferramenta muito útil que os políticos nunca devem esquecer de trazer consigo;… E siga a dança que o tempo conta: Cabelinho à Foda-se Xavier, as explicações de José Sacristócrates para as afirmações “Iberistas” do seu ministro Otário Lino?

Cabelinho à Foda-se Xavier: Houve um tipo para aí na blogosfera que já sintetizou muito bem a cena: “O traque que ele deu não foi ele, fui eu”, eh,eh,eh!

Carlos Andróide: Quer explicar melhor?

Cabelinho à Foda-se Xavier: Pura e simplesmente rídículo, Sacristócrates, perante o cheirinho nauseabundo, tentando provar que cheirava a bouquet, ih,ih,ih! Como diz o trolha que me está a assentar a cozinha lá na minha nova barraca de férias: “Foi pior a pimenta que o cimento”!

A Circunferência do Quadrado

 circulo.jpg

Maio de  2006


Carlos Andróide: Muito boa noite ilustres gentes dos blogues; Cá estamos nós na vossa companhia para mais uma “Circunferência do Quadrado”. Pacheco Mao Mao, Jorge Pink Rabbit e Cabelinho à Foda-se Xavier são os habituais convidados desta tasca, e eu, Carlos Andróide, sou o moderador.
Vamos lá então passar em revista os principais acontecimentos da semana que passou, começando – passe o redondismo – por si Jorge Pink Rabbit: As declarações do ministro português p’ró Iberista e a Reforma da Segurança Social, quer começar?

Jorge Pink Rabbit : Bem… quanto à primeira questão, só quem conhece como eu o meu amigo Liño de Caballo, sabe que houve foi para ali uma “caballa” espanhola, logo aproveitada por alguns portugueses mal intencionados…

Carlos Andróide: Explique lá isso ó Jorge Pink Rabbit.

Jorge Pink Rabbit: Passo a explicar: Os espanhóis, que já deitaram a mão a grande parte do poder económico em Portugal, andam agora a querer meter as unhas no poder político, vai daí, como sabem que o Liño até gosta de emborcar uns copitos ao almoço, espetaram-lhe com sete e meio de uma pomada extremeña com quase 15º e o desgraçado espalhou-se todo ao comprido no discurso.
Quanto à Segurança Social, alguém tinha que ter tomates para fazer alguma coisa; Para podermos continuar a pagar as justas pensões de três, quatro e cinco mil euros mês às pessoas que são realmente importantes neste país, alguém tinha que ficar a arder, e quem se não quem não tem importância nenhuma, hein? Querem boas cabeças a pensar este país, a tomar conta deste rebanho de carneiros incultos…PAGUEM!… E deixem de refilar, sob pena de vermos todas essas cabecinhas brilhantes que se esfalfam no generoso propósito de servir esta nação de pelintras, darem às Vila Diogo para o privado ou para o estrangeiro. Fez muitíssimo bem o nosso Engenheiro Sanitário Sócrates em agarrar a vaca pelos cornos…

Carlos Andróide: …Antes que a teta seque?

Jorge Pink Rabbit: Como?!

Carlos Andróide: Nada, nada, adiante que a gente já percebeu.
 O  P.S.D. está mesmo todo unido à volta de Marques Meia-Leca Mendes?

Pacheco Mao Mao: Está bem à vista que sim, tirando uma velha lata de sardinhas ferrugenta que queria ser submarino nuclear, e que depois se verificou trazer mais de metade das assinaturas falsificadas para se candidatar à liderança… está tudo nos conformes.

Carlos Andróide: Mas ó Pacheco Mao Mao, aquilo não é antes um “como agora não interessa, aguenta tu que a gente vai lá depois”?

Pacheco Mao Mao: Não estou a perceber!?

Carlos Andróide: Eu troco a nota em miúdos: Com o governo recém eleito usufruindo uma maioria estável no Parlamento, um Presidente ainda a jogar à cabra cega e que nem sabe onde ficam todas as casas de banho do palácio de Belém, em suma: Estando o país num estado em que não ata nem desata e a oposição, se é que existe, ainda anda no deserto à procura da terra de Canã, deixa lá estar o Meia-Leca que nós, os barões alaranjados, lá mais para a frente já tratamos do camelo, entendeu agora?

Pacheco Mao Mao: Bom… a história diz-nos que em casos similares…

Carlos Andróide: Está bem, está bem ó Pacheco Mao Mao, deixe-se lá de dissertações filosóficas da tanga que a gente sabe que quando você começa, fala pelos cotovelos e no fim ninguém percebeu pevides, ou seja, o discurso bem espremidinho deita tanto sumo como um limão seco ao sol, portanto, como temos mais que fazer do que ouvir cantigas da treta… vamos em frente.
Cabelinho à Foda-se Xavier,  lá para as bandas do C.D.S./P.P. é quase a mesma coisa; Uns putos fraldisqueiros à procura de protagonismo, ou melhor, de poleiro ao pé dos galos de crista velha…

Cabelinho à Foda-se Xavier: Deixe-os lá coitadinhos, ainda não sabem de que lado é que se enfia o preservativo mas já mostram ter sangue na glande eh,eh,eh! É assim que se começa e a gente achou-lhes muita piada. Claro que como disse e muito bem, a oposição neste país vai qual povo Hebreu em fila indiana pelo deserto a caminho das terras de Canã e não interessa niente qual o Patriarca que segue à frente da carneirada; Todos têm bússola nos tempos que correm e sabem bem o caminho a seguir, portanto, o Patriarca é só para enfeitar.

A Circunferência do Quadrado

circulo.jpg

Maio de  2006


Carlos Andróide: Muito boa noite maralha dos blogues, bem vindos a mais uma sessão da Circunferência do Quadrado. Eu sou o Carlos Andróide, moderador desta espelunca, e tenho comigo os habituais fala-baratos deste pagode: Pacheco Mao Mao, Jorge Pink Rabbit e Cabelinho à Foda-se Xavier para debaterem comigo as coisas que aconteceram neste quintal da Europa chamado Portugal, no que à política diz respeito. Começo com o Pacheco Mao Mao: Está tudo de acordo que o discurso do Presidente da República foi o discurso mais à esquerda que se ouviu nas cerimónias do 25 de Abril, ele, Cavaco Silva, que a exemplo dos anos anteriores nem cravo levou para a cerimónia…

Pacheco Mao Mao: Ora bem, no que ao cravo diz respeito, há duas coisas a registar: É de enaltecer a coerência de Cavaco Silva, não foi agora por ser Presidente da República que procedeu de maneira diferente, se o fizesse “Aqui-Del-Rei” o que a oposição não iria berrar, e depois, a segunda razão, o casaco de Cavaco não tinha bolsinho para espetar o cravo; Ora como o casaco do Cavaco era novinho em folha, o homem não ia segurar a florzinha com fita gomada, um agrafe ou com super cola 3!
Quanto ao discurso, quem é que esperava o contrário? Cavaco é um homem preocupado com o social…

Carlos Andróide: Mas ó Pacheco Mao Mao, não acha que quem esteve dez anos no poder cagando positivamento no social, vir agora com uma conversa daquelas tipo “toma lá festinhas na lombeira” é o que se pode chamar demagogia barata?

Pacheco Mao Mao: Porquê?! Mas o papel do Presidente da República não é esse mesmo, dizer umas palermices todas “p’ró chá”, deixar os políticos do dia-a-dia todos à nora e rir-se à força toda sabendo que aquilo que ele diz entra por uma orelha dos gajos e sai pela outra?… e o povo todo contentinho porque o Presidente está muito preocupado?… Então?…Não é isso que a história…

Carlos Andróide: Está bem ó Pacheco Mao Mao, a malta já entendeu.

Jorge Pink Rabit: O Primeiro Ministro não perdeu tempo e veio no próprio dia afirmar que o discurso do Presidente ia de encontro ao que o Partido Socialista defende lá no tal livrinho…

Jorge Pink Rabbit: E fez muito bem, o Cavaco pensa que está a lidar com algum parolo tipo Marques Meia-Leca Mendes ou Roupeiro e Castro? Se pensava que deixava o Zé em apertos enganou-se rotundamente…

Cabelinho à Foda-se Xavier: Peço desculpa ó Jorge Pink Rabbit mas você não está a ver bem a coisa…

Carlos Andróide/Jorge Pink Rabbit: Porquê ó Cabelinho à Foda-se Xavier?!

Cabelinho à Foda-se Xavier: Aquilo foi tudo teatro e do bom, e o povinho papou tudo que foi uma beleza; O Cavaco e o Zé entendem-se é às mil-maravilhas e o resto é fogo de artifício, ninguém me tira da cabeça que a estratégia já estava combinada à priori para encantar os papalvos, tanto assim é que aí está! O Marques Meia-Leca Mendes que se ponha à tabela porque o Cavaquinho faz-lhe a folha que é uma maravilha, eh,eh,eh!

A Circunferência do Quadrado

  circulo.jpg

Abril de  2006


Carlos Andróide : Boa noite malta das blogadas, cá estamos para mais uma sessão da Circunferência do Quadrado tendo como sempre a meu lado estes trio maravilha que passo a apresentar:Pacheco Mao Mao pelo P.S.D., Jorge Pink Rabbit pelo P.S. e Cabelinho à Foda-se Xavier pelo P.P. Eu sou o Carlos Andróide e tenho a missão de domar estes bichos.
E começo pelo Cabelinho à Foda-se Xavier : Aquilo em Paço de Arcos esteve muito quentinho, com que então a betolêndia também já se pega à mocada imitando a desprezível ralé das tascas ordinárias?

Cabelinho à Foda-se Xavier : Perdão ó Carlos Andróide, aquilo não foi o que parece, era só o que faltava a nata da sociedade descer às catacumbas merdosas e infectas do povinho reles e ordinário! O que ali se passou foi um mero golpe de markting político!

Carlos Andróide : !?… Essa agora?!… explique lá isso ó Cabelinho à Foda-se Xavier…

Cabelinho à Foda-se Xavier: Bem… o partido anda tão sensaborão, tão frouxo, tão “falta de ideias” com este chouriço do Ribeiro Chato que foi necessário encontrar uma forma original de o revitalizar e dar nas vistas…

Carlos Andróide : Mas alguém levou um soco num olho?! Ouvi dizer…

Cabelinho à Foda-se Xavier : Não é isso ó Carlos Andróide, quando eu digo “dar nas vistas” é…, como hei-de explicar?… mostrar vitalidade à opinião pública, entendeu?

Pacheco Mao Mao : Ó Cabelinho à Foda-se Xavier, batatada é batatada, tenha o soco acertado no olho de um betolas ou na urna de votos, aliás históricamente está provado…

Carlos Andróide : Calma aí ó Pacheco Mao Mao que a conversa não é consigo, já vai chegar a sua vez, tenha lá calma. … Foi então um golpe publicitário, é, Cabelinho à Foda-se Xavier?

Cabelinho à Foda-se Xavier : Única e simplesmente isso e mais nada. A betolândia não desce aos porões, disse!

Carlos Andróide : Entendido. Agora nós Pacheco Mao Mao: Então que raio de coisa é essa de você estar a ser acusado pela comunidade blogueira de colocar em destaque com links e tudo, incluindo morada, nick, estado civil, sexo, quantos gatos tem etc…, dos blogueiros que o adulam e não colocar NADA sobre quem o critica?

Pacheco Mao Mao : Eu?!

Carlos Andróide : Pelo menos é do que a rapaziada se vem queixando, às vezes, para não ser tão descarado, lá coloca uma ou outra carta que critica este ou aquele ponto mas… nem sequer coloca um link do blogueiro que o fez, e a isso chama-se “falta de ética”…

Pacheco Mao Mao : Ó Carlos Andróide, eu não admito que NINGUÉM me dê lições de ética, porque sou um homem cheiinho dela. Se alguma vez vez me esqueci de mencionar as fontes…

Carlos Andróide : Não é alguma vez ó Pacheco Mao Mao, é SEMPRE!…

Pacheco Mao Mao : SEMPRE?!… Bem… esqueci-me SEMPRE… acontece! Vou ver se me lembro SEMPRE de os colocar a partir de agora, sim porque eu sou o pai da blogosfera lusitana e tenho que ser e parecer um exemplo de virtudes, tal como na história a mulher de César, entende? Para os blogueiros em geral até deixo um conselho: Bem pregava Frei Tomás…

Carlos Andróide : Olhem para o que ele diz e não para o que ele faz…

Pacheco Mao Mao : Eu sempre disse que você era um rapazito muito culto, é isso mesmo.

Carlos Andróide : Obrigadinho pelo elogio ó Pacheco Mao Mao. E para finalizar vamos ouvir o Jorge Pink Rabbit e o que ele tem a dizer sobre a inauguração esta semana do Casino das Tríades de Macau.

Jorge Pink Rabbit : Das Tríades?!… mas o Senhor Stanley Ho é um homem honestíssimo, zeloso cidadão cumpridor dos seus deveres e devíamos estar muito gratos por ter investido desinteressadamente em Portugal…

Carlos Andróide : Sim, sim ó Jorge Pink Rabbit, pode passar adiante que a malta já foi à missa hoje e ao comício da Rosa a semana passada. Pensa então que não há mais nada em que investir em Portugal que em antros de perdição?…

Jorge Pink Rabbit : Antros de perdição?! Permita-me discordar em absoluto!… Um casino é um local muito “in”, cultural e civicamente falando!… A única coisa de jeito que o Gel Pedro Santanás Pops fez no seu governo carnavalesco…

Carlos Andróide : Pois é, o povo até está com saudades de um governo desse tipo; Ao que se diz para aí, este não é nada mais nada menos que uma cópia quase fiel do do Gel Pedro Santanás Pops…

Jorge Pink Rabbit : O quê?! Mas você quer comparar…

Carlos Andróide : Longe de mim ó Jorge Pink Rabbit, eu só estou a dizer o que diz o povinho, com a única diferença de este ser um governo cheio de gente e política sorumbática e o outro ao menos ser um corso de gôzo todos os dias.
Bem, ficamos por aqui que está na horinha do almoço e o Gambrinus fecha às 15 horas. Para a semana há mais.

A Circunferência do Quadrado

circulo.jpg

Abril de 2006


Carlos Andróide: Boa noite senhores blogueiros, vai hoje para o ar a primeira edição do “A Circunferência do Quadrado”. Como convidaddos temos: Pacheco Mao Mao pelo P.S.D., Jorge Pink Rabbit pelo P.S. e Cabelinho à Foda-se Xavier pelo P.P. Eu sou o Carlos Andróide e tenho a missão de domar estes bichos.
Feitas as apresentações vamos ao que interessa, ou seja, ao principal assunto da semana: A falta de quorum que impediu as votações semanais na Assembleia da República; O povo pergunta e está indgnado: Onde se meteram os senhores deputados depois de assinarem o livro de presenças?! Começo pelo Jorge Pink Rabbit .
Jorge Pink Rabbit : Bem… eu estava com uma diarreia descomunal e não pude ir trabalhar; a comprová.lo está o atestado médico do SAP que enviei ao senhor Presidente da Assembleia. Quanto aos meus comparsas parlamentares, por motivos vários também justificaram a ausência com documentos comprovativos; A um adoeceu-lhe o cão, outro tinha uma partida de golfe na Aroeira em serviço de estado, outro teve que ir comprar gravatas de urgência porque o gato desunhou-se a espatifá-las todas, outro…

Pacheco Mao Mao: Ó óóó…Jorge Pink Rabbit, vá lá cantar Milongas para o Bar da A Barraca que é o sítio certo para esse tipo de actividades. Então depois do engenheiro sanitário, formado por uma universidade duvidosa e do qual eu um dia hei-de tirar a limpo, andar para aí a falar em moralização da vida política portuguesa vem agora a maioria que o suporta dar uma barracada destas? Mais: históricamente nunca…

Cabelinho à Foda-se Xavier : Ó Pacheco Mao Mao, desculpe lá mas não concordo nada com o que você acaba para aí de arrotar; Mas foi só o Partido do Jorge Pink Rabbit que se baldou ao trabalho em fim de semana pascal prolongado?! Então e o P.S.D.?!…

Pacheco Mao Mao: O P.S.D. não se baldou, o P.S.D. não apareceu porque já sabia que a maioria se baldava, portanto, não vinha cá fazer absolutamente nada; assim, a malta combinou e estava toda presente na S. Caetano a trabalhar que nem uns desalmados… e não esteja para aí com essa cara de quem duvida do que eu digo porque há testemunhas…

Cabelinho à Foda-se Xavier : Testemunhas?!… que tipo de testemunhas?

Pacheco Mao Mao: Dois tipos!… Ora limpe lá as mucosas com este guardanapo!

Cabelinho à Foda-se Xavier : Diga lá…

Pacheco Mao Mao: O porteiro da sede e duas testemunhas de Jeová que foram lá bater à porta. Isto historicamente…

Jorge Pink Rabbit : Ó Pacheco Mao Mao, vá mas é dar banho ao cão!

Pacheco Mao Mao: Eu não tenho cão, você não sabe que os cães são historicamente…

Cabelinho à Foda-se Xavier : Ó Pacheco Mao Mao, cale-se lá com a estória da história que já não há pachorra…

Pacheco Mao Mao: Mas você está para aí armado em campeão da carica, diga-me lá ó seu betinho de Cascais: E o pessoal da sua tasca não se baldou igualmente?

Cabelinho à Foda-se Xavier : Ora aí é que você se engana; O pessoal do P.P. foi todo à missa pascal, não somos nós os doutrinadores da democracia cristã?… Como a maioria e o principal partido da oposição não apareciam, resolvemos ir todos à missinha na Igreja de Freixo de Espada à Cinta, lugar lindíssimo que ninguém conhecia.

Carlos Andróide: Meus senhores, na minha opinião, e vão ver que na opinião dos blogueiros, baldou-se foi tudo ao trabalhinho depois de assinar o livro de ponto e o resto são estórias…

Pacheco Mao Mao: Alto aí!… história é comigo por isso, independentemente de tudo eu pergunto: Mas desde quando é que a merda da ralé tem que interrogar a elite sobre o para onde vai ou para onde é que foi? Alguma vez se viu isto na história, hein?… Ora remetam-se lá à vossa pequenez e acabou aqui a conversa!

Jorge Pink Rabbit : Alguma vez haviamos de estar de acordo ó Pacheco Mao Mao…

Cabelinho à Foda-se Xavier : Amén! Comungo igualmente; Aliás, como defensor e seguidor da democracia cristã direi mais: Já dizia um santo qualquer que agora não me lembro o nome: “Olha para o que eu digo e não para o que eu faço”; É este o recado que dou aos detratores do escol da Nação.

Carlos Andróide: Jorge Pink Rabbit, Pacheco Mao Mao e Cabelinho à Foda-se Xavier, terminamos aqui o debate desta semana, certos de que deixámos os blogueiros muito bem esclarecidos. Proponho que vá cada um à sua vidinha e nos encontremos então à uma da tarde à porta do Gambrinus para o almoço pago pela gerência. Por favor não faltem nem se atrasem.

Todos: Pode estar descansado que não faltaremos, haja o que houver!